Conversa de Botequim

Uma visão desfocada da realidade do mundo

Kirilov e o Suicídio

Posted by José Eduardo Coutelle em 9 julho, 2009

Acho interessantíssima essa passagem do livro Demônios, de Dostoievski. Usei parte dela para redigir a minha reportagem sobre o suicídio que foi veiculado na revista Primeira Impressão do semestre passado. Eis o trecho:

Kirilov e o Suicídio – Fiódor Dostoiévski (Os Demônios)

“- A seu ver, o que impede as pessoas de cometerem suicídio – pergutei. Kírilov olhou distraído, como se tentasse se lembrar do que estávamos falando.
– Eu, eu ainda sei pouco… dois preconceitos o impedem, duas coisas; só duas; uma, muito pequena, a outra muito grande. Mas até a pequena também é muito grande.
-Qual é a pequena?
– A dor.
– A dor? Será que isso é tão importante… neste caso?
– De primeiríssima importância. Há duas espécies de suicída: aqueles que se matam ou por uma tristeza ou de raiva, ou por loucura, ou seja lá por que for… esses se matam de repente. Esses pensam pouco na dor, se matam de repente. E aqueles movidos pela razão – estes pensam muito.
– E por um acaso há esse tipo que se mata por razão?
– Muitos. Se não houvesse preconceito esse número seria maior; muito maior; seriam todos.
– Mas todos mesmo? Ele fez silêncio -E porventura não há meios de morrer sem dor?
– Imagine – parou ele diante de mim – imagine uma pedra do tamanho de uma casa grande; ela está suspensa e você debaixo dela; se lhe cair em cima, na cabeça, sentirá dor?
– Uma pedra do tamanho de uma casa? Claro que dá medo.
– Não estou falando do medo; sentirá dor?
– Uma pedra do tamanho de uma montanha, milhoes de puds (medida antiga, correspondente a 16,3 kg) É claro que não há dor nenhuma.
– Mas se você realmente ficar debaixo, e enquanto ela estiver suspensa, vai ter muito medo de sentir dor. O primeiro cientista, o primeiro doutor, todos sentirão medo. Cada um saberá que não sentirá dor e cada um terá muito medo de sentir dor.
– Bem, e a segunda causa, a grande?
– É o outro mundo.
– Ou seja, o castigo?
– Isso é indiferente. O outro mundo; só o outro mundo.
– Por acaso não há ateus que não acreditam absolutamente no outro mundo? Você não estará julgando por si?
– Ninguém pode julgar senão por si mesmo – pronunciou ele enrubescendo – Haverá toda a liberdade quando for indiferente viver ou não viver. Eis o objetivo de tudo.
– Objetivo? Neste caso é possível que ninguém queira viver?
– Ninguém – pronunciou de modo categórico.
– O homem teme a morte por que ama a vida, eis o meu entendimento – observei – e assim a natureza ordenou.
– Isso é vil e aí está todo o engano! – os olhos dele brilharam – A vida é dor, a vida é medo, o homem é um infeliz. Hoje tudo é dor e medo. Hoje o homem ama a vida por que ama a dor e o medo. E foi assim que fizeram. Agora a vida se representa como dor e medo, e nisso está todo o engano. Hoje o homem ainda não é aquele homem. Haverá um novo homem, feliz e altivo. Aquele para quem for indiferente viver ou não viver será o novo homem. Quem vencer a dor e o medo, esse mesmo será Deus. E o outro Deus não existirá.
– Então, a seu ver o outro Deus existe mesmo?
– Não existe, mas ele existe. Na pedra não existe dor, mas no medo da pedra existe dor. Deus é a dor do medo da morte. Quem vencer a dor e o medo se tornará Deus. Então haverá uma nova vida, então haverá um novo homem, tudo novo… Então a história será dividida em duas partes: do gorila à destruição de Deus e da destruição de Deus…
– Ao gorila?
– À mudança física da terra e do homem. O homem será Deus e mudará fisicamente. O mundo mudará, e as coisas mudarão, e mudarão os pensamentos e todos os sentimentos. O que você acha, então o homem mudará fisicamente?
– Se for indiferente viver ou não viver, todos matarão uns aos outros e eis, talvez, em que haverá a mudança.
– Isso é indiferente. Matarão o engano. Aquele que desejar a liberdade essencial deve atrever-se a matar-se. Aquele que se atreve a matar-se terá descoberto o segredo do engano. Além disso não há liberdade; Nisso está tudo, além disso não há nada. Aquele que se atrever a matar-se será Deus. Hoje qualquer um pode fazê-lo por que não haverá Deus nem haverá nada. Mas ninguém ainda o fez nenhuma vez.
– Houve milhões de suicidas.
– Mas nada com esse fim. Tudo com medo e não com esse fim. Não com o fim de matar o medo. Aquele que se matar apenas para matar o medo imediatamente se tornará Deus.
– Talvez não consiga – observei.
-Isso é indiferente – respondeu baixinho, com uma altivez tranquila, quase com desdém. – Lamento que você pareça estar rindo – acrescentou meio minuto depois.”

Anúncios

Uma resposta to “Kirilov e o Suicídio”

  1. Julio said

    Muitos acham que foi Nietzsche o precursor da idéia de além-homem(zaratustra), mas depois de ler Os Demônios, Creio que Dostoiévski se superou novamente rs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: